1 julho

Programa Família Acolhedora

Fundação Nosso Lar

Dê carinho e proteção às crianças e adolescentes

O Programa Família Acolhedora consiste em cadastrar e capacitar famílias da comunidade para receberem em suas casas, por um período determinado, crianças, adolescentes ou grupos de irmãos em situação de risco pessoal e social, dando-lhes acolhida, amparo, aceitação, amor e a possibilidade de convivência familiar e comunitária. A família de acolhimento representa a possibilidade de continuidade da convivência familiar em ambiente sadio para a criança ou adolescente. Mas, isto não significa que haverá a integração como filho. Na realidade, a família de apoio assume o papel de parceira no atendimento e na preparação para o retorno da criança/adolescente à família biológica ou substituta.

111 comentários para “Programa Família Acolhedora”

  1. leda disse:

    gostaria de saber endereço e telefones
    para contatos, eu gostaria de pode ajudar
    em alguma coisa ,acho este trabalho muito importante para
    todos podemos ajudar um pouquinho

    abraços leda

  2. alessandra disse:

    ola acho muito importante ser uma mae acolhedora ,eu teho um filho de 7 anos ,gostaria de saber o que é preciso e como posso fazer para ser uma dessas maes acolhedoras ?

  3. alessandra disse:

    tenho 27 anos e um filho de 7 anos e gostaria de saber o que é preciso e como posso fazer para ser uma mae acolhedora ?

  4. Olá Alessandra!! Isso depende muito da legislação em cada município que institui o programa. Verifique a lei e o decreto de regulamentação mas principalmente junto a equipe técnica responsável pelo pelo cadastramento, formação e seleção dos candidatos a família acolhedora. Essa equipe poderá lhe responder com mais propriedade.
    Aqui em Foz temos através do programa de Guarda Subsidiada a seguinte necessidade:
    Art. 6º As condições básicas para as famílias se candidatarem ao acolhimento de crianças e adolescentes no Programa Guarda Subsidiada são as seguintes:
    I – a família interessada deverá submeter-se a um estudo social;
    II – disponibilidade afetiva, sobrepondo-se à questão financeira;
    III – concordância de todos os membros da família com a acolhida da criança ou adolescente;
    IV – apresentar condições de habitabilidade e sanitárias adequadas;
    V – os responsáveis deverão possuir idade superior a 18 anos;
    VI – possuir renda mensal igual ou superior a 2 (dois) salários mínimos e que não ultrapasse os 10 (dez) salários mínimos;
    VII – a família deverá estar em boas condições de saúde física e mental;
    VIII – possuir idoneidade moral, comprovada através de certidão das Varas cíveis e criminais;
    IX – os membros da família deverão assegurar a convivência familiar e comunitária, em ambiente livre da presença de pessoas dependentes de substâncias entorpecentes.
    Qualquer dúvida estamos a disposição.
    Abraços

  5. Oi Ieda.. Olha no Rio de Janeiro terá que se informar nos conselhos ou junto a Secretaria. Nesse link abaixo vai encontrar telefone e alguns e-mail dos Conselhos de Direitos que são responsáveis pela aprovação dos programas e projetos para crianças e também dos Conselhos Tutelares que são encarregados da defesa dos direitos das crianças.
    http://www.observatoriodainfancia.com.br/article.php3?id_article=729

    Qualquer coisa estamos a disposição

    Abraços

  6. Ana Paula Nunes disse:

    Parabenizar a todos que participam da familia acolhdora pois um dia gostaria de participar já conversei com o meu marido e ele também achou ótimo, estamos melhorando nossa casa para que um dia possamos também fazer parte deste programa,um forte abraço a todos.

  7. Vera´Lúcia disse:

    Gostária de mais informações sobre o assunto da família acolhedora pois fiquei interessada em me cadastrar , e saber os procedimentos ,. achei interessante e tenho certeza que é uma idéia brilhante . abracos.

  8. Mireille Pic disse:

    boa tarde,

    Moro em Brasilia e gostaria de saber como participar do programa. Com devo entrar em contato?

    Obrigada,

    Mireille

  9. ADRIANO GUSTAVO GOMES disse:

    olá sou conselheiro tutelar do meu municipio, gostaria de mobilizar o poder publico para criaçao do programa familia acolhedora, como começar?

  10. Juliana Evelin disse:

    Olá,
    Bom dia, eu moro em nova iguaçu – rio de janeiro , e minha avó gostaria de ajudar no projeto , mas ja pesquisamos diversas vezes , e não conseguimos nenhuma informação de como ajudar , aqui aonde moramos, sera que existe um telefone , ou um site oficial do projeto , para que agente possa se informar mais?
    Desde já obrigada.

  11. Olá…o melhor local para descobrir se o programa está implantado e funcionando em Nova Iguaçu é junto a Secretaria municipal de assistência social. Nosso programa está em Foz do Iguaçu no Paraná. Uma das formas de ajudar também é participando e questionando no conselho municipal dos direitos da criança (CMDCA).

    Abraços

  12. Olá Adriano… pode começar fazendo a discussão no CMDCA pois esse é o órgão de deliberação da política e onde está presente tanto a sociedade civil organizada como os representantes da prefeitura. Poderá encontrar na internet textos sobre o assunto par a discussão tendo em conta a realidade de seu Município. Após isso se for o caso pode ser organizado uma audiência pública, convidar alguém com experiência no assunto para poder tirar as dúvidas. Na sequência a criação do programa depende de lei municipal, principalmente se for repassar algum tipo de subsídio às famílias que acolhem.
    Abraços

  13. Olá Mireille…precisa descobrir se em Brasília está implantado e funcionando o programa. Vá ou ligue para a Secretaria de Assistência Social ou Conselho Tutelar, ambos poderão informar. Se não estiver implantado pode sugerir participando das reuniões do Conselho dos Direitos da Criança que é órgão responsável por deliberar a política de atendimento aos direitos da criança.

    Abraços

  14. Oi Vera.. precisamos saber em que município reside, pois esse programa tem abrangência municipal.

  15. Fundação Nosso Lar disse:

    Recebemos informações sobre o PROGRAMA Família Acolhedora do RIO DE JANEIRO.
    Quem executa é a Secretaria Municipal de Assistencia Social.
    As pessoas podem fazer contato pelo telefone (21)588-9084 / 2588-9074
    Abaixo o realese da Prefeitura sobre o Programa:

    O programa se destina a atender crianças e adolescentes em situação de risco
    pessoal e social que sejam vítimas de algum tipo de violência doméstica e/ou
    que estejam em situação de abandono necessitando de acolhimento familiar. O
    acolhimento é feito por um período de tempo determinado até que possa ser
    reintegrado à sua família de origem. Cada família que acolher uma
    criança/adolescente recebe uma bolsa auxílio mensal que varia de acordo com
    a faixa etária: para acolhimento de crianças de 0 a 6 anos, é concedida
    bolsa-auxílio de R$350; de 7 a 14 anos, bolsa de R$450 e adolescentes de 15
    a 18, uma bolsa de R$600. Casais, mulheres e homens solteiros podem ser
    acolhedores. Para isso, eles precisam ter disponibilidade de tempo e afeto
    para cuidar da criança, idade entre 24 e 65 anos, boa saúde, zelar pela
    saúde da criança, garantir a freqüência em escola. Além disso, é preciso que
    o interessado não esteja respondendo a inquérito policial ou envolvido em
    processo judicial, não tenha problemas psiquiátricos, alcoolismo ou vício em
    drogas ilícitas e ter residência fixa no município do Rio. Os acolhedores
    passam por capacitação de dois meses em aulas semanais.

    Valéria Brahim

    Gerente de Programas Sociais

    Terra dos Homens – ABTH

    (21) 2524.1073, Ramal 28

  16. EWANIO FERREIRA DA SILVA disse:

    SOU testemunha do trabalho e da eficiência desta profissional e das demais que se engajaram neste projeto, com certeza a semente já foi plantada basta regarmos com carinho para q possa se desenvolver de forma consistente contando com a ajuda de todos, para isso basta fazer o cadastro respeitando todos os critérios e normas, assim estamos garantindo uma esperança um sorriso e a certeza de dias melhores, QUE DEUS ABENÇÕE A TODOS QUE SE ENGAJAREM NESTA MISSÃO COM AMOR!
    (CONSELHEIRO TUTELAR OURO PRETO)

  17. Edvane Magela Silva. disse:

    Estou na fila de adoçao a dois anos,fui informada que na minha comarca pessoas que estão na fila de adoçao nao podem ser familia acolhedora . A minha pergunta é a família acolhedora pode pedir o direito de guarda de uma criança e passar na frente de pessoas como eu que estão a anos esperando a oportunidade de serem pais, uma vez que a família acolhedora cria vínculos com a criança?

  18. RAFAEL disse:

    Bom dia a todos, gostaria de saber como funciona esse programa em foz do iguaçu e se temos no momento o mesmo.
    abraços

  19. lucimar katia de oliveira disse:

    olà tenho 43 anos 2 fihos 16 19 anos como fazer para ser uma mâe acolhedora.

  20. Carla Marques Avelar disse:

    Sou coordenadora do CRAS no município de Santana do Jacaré-MG. Gostaria de me informar melhor em relação ao Programa Família Acolhedora quais as normas para poder estar implantando em nosso município, este programa que pelo visto estará trabalhando nossa população vulnerável a rompimento familiar. A que orgão devo procurar para estar capacitando.Favor contatar pelo e mail- carlamarques1970@yahoo.com.br ou Fone: 035-38661237/ 035-98036205. Aguardo contato quanto antes.

    Carla Marques Avelar.
    Coordenadora do Cras do Município de Santana do Jacaré-MG.

  21. Grazi disse:

    Pq quem faz parte do projeto familia acolhedora não pode ser cadastrado na fila de adoção?, já que vc está acolhendo esta criança pq não adota-la. O Sistema e muito complicado como tudo em nosso País isso me deixa frustada em saber que há tantas pessoas que deejam ser pais e a justiça complica tanto, como eu por exemplo desejo muito ser mãe.

  22. vanuza disse:

    meu nome é´vanuza,ja participei da familia acolhedora,mas
    nao pude ficar com as crianças pois eles eram(3)
    muitos levados . minha sogra ficou com todos.
    hoje sao lindos e bem cuidados.
    hoje sao adotado sim! mas ate hoje por nao ter ficado com as crianças nao me chamaram mas… pelo menos minha sogra ficou.
    nao tive opçao pois meu cadastro e de uma criança só´.
    são minhas condiçoes e isso não foi cumprido.

  23. vanuza disse:

    Porque nao pegam essa crianças que estão com familia acolhedora e deixem,
    com familias definitivas que querem adotar,pois muitas ja nao tem mas como voltar para familia biologica.
    Pessoas estao adotando mesmo sem ser cadastradas.
    so porque acolheram,ficaram com a criança .
    Isso é´muito errado pois tem pessoas cadastradas que estao na fila a anos…

  24. KATYA REGINA NOVAK DE MOURA disse:

    Bom Dia!!!
    Sou academica do curso de direito e minha monografia para conclusão do curso é sobre Familia Substituta (prevista no ECA). Gostaria de receber a lei municipal de vcs que instituiu o programa a nivel municipal e saber se há o programa a nivel federal (se possível o link desse programa) e demais legislações acerca do assunto.
    Desde já agradeço a atenção e aguardo anciosamente o retorno.
    Obrigada!
    Katya

  25. Edite Dias da Silva disse:

    Olá!
    Gostaria de saber o endereço desse projeto em São José do Rio Preto e se é necessário a pessoa ser casada para participar!
    Que Deus abençõe todas as pessoas que participam de algum projeto em prol do proximo!

  26. cintia disse:

    Olá !!! Gostaria de me tornar uma mãe acolhedora ou social.
    Tenho 3 filhos biol. e 1 do coração e gostaria de dar carinho,amor, para outras crianças ou adolescentes.
    Tem como mandar alguma informação ou endereço para eu me candidatar.

  27. eliane melo disse:

    Procure a prefeitura de sua cidade para obter o telefone da familia acolhedora da sua região.Vá pessoalmente,pois nem todos os funcionários públicos conhecem o projeto,e podem não saber informar por telefone,(demora um pouquinho até vc receber as crianças em casa,mas vale a pena!Boa Sorte!

  28. Prezad@:
    Acolhimento familar é um programa de proteção com caráter excepcional e provisório. É o período necessário para que se possa avaliar e trabalhar o retorno da criança a sua família ou na impossibilidade o encaminhamento para adoção. Famílias acolhedoras devem ser preparadas para essa função.

    Abraços

  29. Olá Vanessa.. desde maio de 2010 encerramos nosso atendimento no acolhimento institucional e familiar. Após fazermos o reordenamento de algumas instituições de acolhimento em Foz, resolvemos encerrar esse serviço. Estamos nos reorganizando para novas atividades.

    Abraços

  30. Aana Lúcia Santos Nascimento disse:

    Olá, bom dia, gostaria de saber se existe esse projeto em São Gonçalo, gostaria muito de me candidatar e quero saber como. Obrigado.

  31. tatiana salles disse:

    gostaria de esta recebendo mais informaçoes,sobre esse projeto.
    amei a ideia e quero receber materias pra esclarecimento.
    pois tenho uma equipe de voluntarios q abraçariam essa causa.
    aguardo contato
    tatiana salles

  32. maria angelica disse:

    Gostaria de saber como se cadastrar para ser uma acolhedora,amo criança e gostaria de fazer algo que pudesse ajudar as crianças ou ate mesmo ser voluntaria de algum projeto com as crianças.
    Tenho dois filhos,de 6 e 3 anos, e falei sobre a possibilidade de ter mas um amiguinho para ficar por alguns tempo conosco e a reação foi de muita alegria.moro em campo grande rj
    obrigado sem mas….

  33. camilla disse:

    oi gostaria de saber ser em recife tem familia acolhedora pois,queria acolher uma criança.

  34. Inês Braz disse:

    Olá Inês… faço parte de equipe interdisciplinar gostaria de receber informações como elaborar programa uo projeto de acolhimento familiar na Instituição.

    Abraços!!!!!!!!!!!!!!!!!

  35. antoniopedro disse:

    Bom dia ,
    Meu nome é Antonio Pedro, sou Psicólogo e membro da SFAC (Substitute Family ou Familia Acolhedora Association), promovemos treinamento em alguns países para a criaçao e discussao do assunto voltado para familia acolhedora.
    Caso haja interesse podemos promover capacitaçoes com seu grupo e em sua cidade.

    Abraços,
    Antonio Pedro
    dasilvaneto.tony@yahoo.com.br
    São Paulo

  36. Regiane disse:

    Olá,
    Estou na fila de Adoção, e fui informada que não posso participar da Familia Solidária !! PERGUNTO SE Isto é uma lei nacional>>>
    Porque acho que é muito mais seguro emocionalmente para a criança e a pretensa família conviverem antes, então porque esta objeção>>
    POR FAVOR ALGUÉM ME INFORME SE ISTO É REAL !!
    AGRADEÇO A ATENÇÃO,
    ABRAÇOS !!

  37. cremilda disse:

    Queria orientação para elaboração de um projeto família acolhedora,
    gostaria que o meu município visse a proposta de implementação. O que é necessário ?

  38. Roseli Costa disse:

    sou casada e não tenho filhos gostaria muito de participar desse programa familia Acolhedora moro em Belo Horizonte MG

  39. Ieda Dias disse:

    Parabems pelo trabalho, que Deus abençoe todas as pesoas envolvidas nesta ação solidária, para termos um mundo melhor no futuro é nescessário melhorar a base de tudo a Família.

  40. leonardo disse:

    Olá, meu nome é Leonardo tenho 23 anosm tenho um casamento homoafetivo em contrato de união estável há 4 anos temos formação superior, casa própria e recebemos um bom salário, enfim gostaria de saber se conseguimos realizar ou entrar em uma fila de adoção? Desde já agradeço sua atenção.

  41. Ricardo Jack Orlandi disse:

    Bom dia, aqui em Itabirito/MG,nós não temos o prgramade família colhedora e numa reunião um funcionário do Abrigo “Casa Lar”,disse que vão criar o programa de Família Acolhedora. A ONG pode criar o programa ou ele têm que ser criado pelo CMDCA?
    Aguardo resposta, Abraços Ricardo

  42. suelia disse:

    bem. trabalho no creas, como educadora social, este programa ja existia mais não foi implantado agpara que esta estou gostando muito mesmo ta

  43. Olá Leonardo. Acredito que sim, pois houve decisão nesse sentido do STJ. O que deve ser coniderando é se as condições oferecidas representam o melhor interesse da criança e isso independe de algumas que vc relaciona notadamente questões econômicas mas, é claro que necessários para garantir as necessidades da criança. Veja a noticia no link http://www.estadao.com.br/noticias/cidades,stj-reconhece-validade-de-adocao-por-casal-homossexual,543774,0.htm

  44. Olá Ricardo. A entidade tem autonomia para isso mas veja que esse tipo de atendimento deve ter registro no Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente(CMDCA). Esse órgão é que “autoriza” o funcionamento pois a entidade não pode funcionar sem o registro e a inscrição do referido programa no CMDCA e também no Conselho Municipal de Assistência Social (CMAS).
    A entidade pode providenciar o projeto e solicitar a inscrição no CMDCA fornecendo todas as informações e cumprindo as exigências que tenha para tal.
    Esse serviço é parte da política de atendimento e cabe ao CMDCA aprovar ou não seguindo critérios prévios e com justificativas. Não pode aprovar ou deixar de aprovar sem justificativa correndo o risco dos conselheiros responderem por negligência ao não darem as condições de atendimento às crianças e adolescentes.
    Abraços

  45. OI Roseli..você deve procurar se informar por um programa aí an sua cidade ou perto dela. Nós estamos em Foz do Iguaçu:PR e não há essa possibilidade.
    Abraços

  46. OI Cremilda..em que município você mora…

  47. Olá..lei propriamente não mas o impedimento se deve para evitar uma possível desconsideração da fila de adoção. Você até pode acolher mas não poderá adotar essa criança acolhida. Veja que o acolhimento familiar é medida excepcional e transitória para colocação em família substituta, preferencialmente após esgotados as tentativas de retorna a família de origem e ampliada, na modalidade de adoção.
    Ou seja, você é um apoio para a criança e para a família enquanto a situação é resolvida. Ela pode retornar a família ou em último caso ir para adoção mas nesse caso a fila de adoção deve ser respeitada.

    Abraços

  48. Prezado: Encerramos nosso projeto de acolhimento em fins de 2010..mas agradecemos o contato.

    Abraços

  49. OI Ana..procure se informar na Secretaria Municipal de Assistência Social, Conselho Municipal dos Direitos da Criança, Conselho Tutelar ou mesmo na Vara da Infância no juizado

  50. Oi Tatiana..desculpe a demora mas não estamos mais executando esse projeto.
    Em que cidade você trabalha..qualquer coisa posso te mandar informação por email mas me informe o que necessita.

    Abraços

Deixe um comentário

Você precisa fazer o login para publicar um comentário.